15% de desconto (1).png

07 E 08 DE JUNHO - SÃO PAULO

07 DE JUNHO -  FÓRUM

Um dia inteiro para debater os avanços do Novo Marco Regulatório do Saneamento Básico e as perspectivas para os próximos anos. 

 

HORÁRIO: 9h às 18h30 │ FORMATO: HÍBRIDO

08 DE JUNHO - WORKSHOPS 
 

Um dia destinado exclusivamente para um debate mais profundo e técnico sobre questões fundamentais do saneamento.

 

HORÁRIO: 9h às 16h50 │ FORMATO: HÍBRIDO

Sem nome (800 px × 200 px) (1).png

Sobre o fÓRUm
de saneamento

Reuniremos as principais lideranças dos setores público e privado envolvidos com investimentos e projetos relacionados ao saneamento com o propósito de entender os desafios que se apresentam para 2022 no cenário macroeconômico e político, e os efeitos para o Novo Marco do Saneamento Básico. Debateremos as oportunidades e fatores de sucesso para a atração de investimentos no setor e, promoveremos a visualização dos acertos e erros dos casos já licitados e dos que estão em preparação, para aumentar a assertividade nos projetos.


Além do Fórum, preparamos quatro workshops práticos para treinamentos profundos sobre temas estruturantes. 

Não fique de fora e
inscreva-se!

Design sem nome (65).png
 

ENTRE EM CONTATO

Keslen Glassiene de Andrade:
(11) 93368 - 2366 
(11) 91039 - 2568

 

Erika Coleta:
(11) 99620 5075 

Obrigado pelo envio!

Design sem nome (65).png

CONTEXTO DO SETOR E MERCADO
DE SANEAMENTO

A Lei Federal nº 14.026/2020, que alterou o Marco Legal do Saneamento Básico, completará dois anos e já implementou importantes mudanças no setor.

Os resultados positivos são visíveis. Há mais de R$ 60 bilhões de investimentos já contratados e quantia similar prevista em projetos que estão em fases diversas de estruturação por parte do BNDES, cujo apoio aos programas de desestatização dos entes públicos trouxe qualidade aos estudos e segurança jurídica.

A indústria de bens de capital e serviços associados se movimenta para atender a um volume maior de contratações, inclusive com pacotes mais sofisticados de soluções que agregam eficiência operacional às empresas. 

    PROPÓSITO

  • Apresentar aos players do mercado os projetos de infraestrutura em Saneamento e apoiar o processo decisório dos investidores; 

  • Demonstrar a atratividade que os projetos de saneamento possuem, visão de longo prazo; 

  • Discutir as oportunidades e fatores de sucesso para a atração de investimentos no setor; 

  • Esclarecer e visualizar pontos fundamentais do Novo Marco do Saneamento Básico; 

  • Contribuir para o aperfeiçoamento da segurança jurídica e equilíbrio econômico-financeiro dos contratos e concessões; 

  • Entender a interpretação dos atuais operadores e dos investidores para os desafios que se apresentam para 2022 (cenário macroeconômico e político) e os efeitos para o andamento dos pontos fundamentais do novo marco;  

  • Criar e solidificar elementos para que o poder público possa tomar melhores decisões sobre o tema do saneamento (arranjos possíveis, prós e contras de cada possibilidade, preparação institucional, legal e operacional para alavancar o saneamento em suas respectivas localidades); 

  • Contribuir para um diálogo amplo, transparente e democrático entre investidores, agentes, reguladores e poderes-concedentes;

  • Promover a visualização dos acertos e erros dos casos já licitados e dos que estão em preparação, para aumentar a assertividade dos próximos projetos. 

  • Propiciar um conhecimento atualizado acerca da agenda de regulação em desenvolvimento na ANA e debater as tendências regulatórias para o setor; 

  • Discutir os temas críticos comprovação da capacidade econômico-financeira dos atuais prestadores e a prevalência de seus principais entendimentos pelos reguladores;

  • Discutir as consequências jurídicas e práticas do encerramento dos contratos vigentes, em vista da sua não adaptação para a incorporação das metas de universalização no prazo definido em lei;

  • Apresentar um pipeline atualizado de projetos para o setor;

  • Promover o debate sobre a intersecção do setor de saneamento e os conceitos do ESG através da escolha dos projetos como critério para investimentos por empresas e fundos, por apresentar grande impacto socioambiental, alinhamento direto com os ODS 3, 6 e 9 e indireto com os 10, 14 e 15, além de promover a valorização da empresa perante o mercado e sociedade.